Arquivo | janeiro, 2010

O limão

30 jan

Esmalte rosa: uma opção para transformar o seu mundo em cor de rosa...

O mundo pode até não ser cor de rosa, mas seu esmalte bem que pode!

A vida tem me dado muitos limões ultimamente. No começo, eu só fazia reclamar. Dizia que eram azedos, ficava acumulando cestas e cestas de limões sem saber o que fazer com eles.

Aí decidir fazer uma limonada. Não deu certo! Nunca conseguia acertar o tom para que aqueles limões conseguissem adoçar a minha vida.

Comecei então a fazer malabarismos. Sem sucesso! Não tive coordenação motora o suficiente para administrá-los, eles sempre teimavam em cair no chão.

Resolvi radicalizar! Peguei os limões, meti no liquidificador com bastante gelo e uma boa vodka e fiz uma super caipirosca nevada! Ela pode até não resolver meus problemas, mas já não estarei mais sóbria para me lembrar disso…

Solidão

29 jan

É óbvio que ninguém (ou pelo menos a maioria das pessoas) gosta de ficar sozinho o tempo todo, mas há momentos em que você quer ou precisa estar só. O problema é que as pessoas parecem não entender e não respeitam isso.

Aliás, as pessoas gostam demais de fazer cobranças sobre a vida alheia. Se está solteira, “quando vai arrumar um namorado?”. Se está namorando, “quando vai casar?”. E se já casou, “quando vai ter filhos?”.

Eu costumo dizer que se os curiosos se preocupassem tanto com o aquecimento global como se preocupam com a vida alheia, o mundo estaria a salvo! Peloamordedeus, parem de encher o saco!!!

E se a pessoa não tem nenhum compromisso, tem que obrigatoriamente estar rodeado de amigos! Não tem nem o direito de querer não participar desses momentos coletivos sem levar o nome de “fuleiro”! Que saco!!!

Claro que amigos são muito importantes, é bom ter momentos legais com as pessoas que você gosta, mas às vezes só se quer uns momentos a sós com seus botões… Não posso querer ir ao cinema sozinha? Dar uma volta no shopping só? Ficar sozinha em casa sem fazer nada?

Não curto a solidão total, mas há pequenos prazeres que ela nos proporciona. E não quero abrir mão deles!

Marombeira de primeira viagem

28 jan
Ainda falando das promessas do fim de ano… Num ranking das mais comuns, a de começar a se exercitar deve ser um dos primeiros lugares, com certeza! Eu, como toda e qualquer mortal, também fiz essa promessa! Isso claro depois de perceber algumas pequenas mudanças no meu corpo (= roupas que não entram mais em mim).

Depois de mais de três anos parada, sem mover uma palha, decidi entrar na academia. Pelo jeito, eu e toda torcida dos três times pernambucanos tivemos a mesma brilhante ideia! Mas é isso aí, o verão (verão? Tá chovendo pra caramba! E, pelo menos aqui no Nordeste, verão não é época de chuva…) está aí, tem que correr atrás do prejuízo pra perder os quilinhos extras ganhos em todas lambanças das confraternizações e festas de final de ano…

Fui a uma academia perto da minha casa e depois de passar por toda avaliação, comecei, enfim, a participar das aulas. A professora logo perguntou: “Você quer fazer uma aula de Power Jump?”. Pensei: “querer até quero, mas primeiro preciso descobrir o que danado é isso!”

Meu Deus, sou a vergonha da classe dos marombeiros! Mas também, não tinha uns nomes mais fáceis para essas aulas não? Qual a diferença entre Power Jump e Body Pump? E entre Body Attack e Body Combat? Meu Deus, tudo era mais fácil quando havia apenas a aula de aeróbica e, no máximo, step!

Resolvi arriscar. Quando chego à sala, descubro que Power Jump é ficar pulando em um mini trampolim. Fácil! Vou tirar de letra! Depois de 10 minutos, quando a professora dizia que seu coração ia “bater um pouco mais acelerado”, o meu parecia que ia sair pela boca! Puxava o ar como uma louca, mas todo o oxigênio do mundo não era o suficiente para os meus pulmões!

Sonya, do Mortal Kombat

E a aula de Body Combat? Voltei uns 15 anos atrás e me vi como se eu fosse a própria Sonya do jogo Mortal Kombat, que eu adorava jogar com meu irmão no Master System dele! Dei tantas porradas imaginárias que juro: saí da aula louca pra dar um murro em alguém! Parecia Chaplin em Tempos Modernos

Mas o ser humano se adapta tão rapidamente que com duas semanas de academia você começa a se mostrar familiarizado e solta frases do tipo: “Odeio fazer o Supino Reto Sentado” ou “Tenho que fazer duas sessões de Leg Press Horizontal”. Entendeu? Se não, isso é sinal que também está na hora de você entrar na academia!

Promessas do ano novo…

27 jan

Bem, como todos os anos, desde que me entendo de gente (e isso – infelizmente – já faz alguns anos), sempre que está iniciando um ano novo, eu costumo fazer uma pequena lista de desejos, de promessas para aquele ano que se inicia.

Claro que coloco algumas coisas meio surreais como “manter o quarto e o guarda-roupa sempre arrumado” (quando parece que passa um tufão todos os dias por lá…), mas têm algumas outras que eu sei que posso cumprir. São essas que no final do ano ajudam a equilibrar a balança entre as promessas cumpridas e as outras que eu até esqueci que tinha anotado…

Uma das promessas para o ano de 2010 foi a de fazer um blog. Afinal, agora sou uma jornalista e todo jornalista que se preze tem que ter um blog (pode até não ter diploma, mas um blog tem que ter!). E eu já sou formada radialista há 3 anos e meio, tô meio atrasada, né? Mas a palavra jornalista pesa mais (pobres de nós, radialistas…) e agora que conclui o curso, não posso mais fugir!

Não que isso seja uma obrigação, na verdade é um desejo que tenho já há algum tempo, ter um espaço na web pra escrever as abobrinhas que eu penso… As aulas de Jornalismo Online (graças ao árduo trabalho de Gustavo Belarmino) me fizeram amadurecer essa idéia. E cá estou eu!

Outra promessa atrelada ao de fazer o blog (vi em uma entrevista uma psicoterapeuta – ou algo assim – dizendo que se você dividir sua promessa em pequenas metas, fica mais fácil alcançá-la e assim evitar a frustração) foi a de atualizá-lo com frequência. Sim, porque não tem nada mais chato que você ler textos massas em um blog e descobrir que a última postagem foi feita em agosto de 2007… Prometo fazer de tudo para não deixar isso acontecer. E vamos que vamos!

Até a próxima!